discografia

Mart'nália

Diretor artístico: Moacir M. Machado
Coordenação de produção: Jean Zanonf
Produção executiva/ direção musical: Rui Quaresma
Arranjos e regência: Rui Quaresma (faixas: 1, 3, 5, 6, 8, 9, 10 e 12)
Rildo Hora (faixas: 4, 7 e 11)
Técnico de gravação e mixagem: Laci de Moraes
Auxiliar de gravação: Fernando Silva
Capa e encarte: Rui de Carvalho e Edna Madureira
Produção gráfica: Bi & Tri Dimensional Design
Fotos: Ivan Klingen
Roupas: Vic Aline
Gravado nos estúdios da Transamérica (1987)

faixas

  1. 1 - Nunca mais
  2. 2 - O preço do amor
  3. 3 - Para um amor no Recife
  4. 4 - Mais consideração
  5. 5 - Amor roubado
  6. 6 - Luxuosos transatlânticos
  7. 7 - Cordas e correntes
  8. 8 - Nova era
  9. 9 - Na mão de Deus
  10. 10 - Nós os foliões
  11. 11 - Fogo e mágoa
  12. 12 - A última estrela

Mart'nália
(Ruy Quaresma)

Em meados de 1979, estava eu na casa da Rua Araxá, ensaiando a nova banda do Martinho da Vila, quando vejo passar pela sala aquele sorriso largo, moleque, debaixo de uns olhos agitados de china, corpo gingando dentro de um uniforme escolar. Era impossível aquela energia boa passar despercebida. Amei aquela criatura à primeira vista e continuo apaixonado até hoje. Tenho certeza que a recíproca é verdadeira. A gente foi se conhecendo, estreitando os laços, descobrindo afinidades, revelando intimidades, gostos em comum e a vida foi nos levando por aí. Viajamos e fizemos muitos shows juntos, pelo Brasil e pelo mundo afora. Nas horas de folga a gente solidificava cada vez mais nossa amizade, cumplicidade e um amor inabalável que resistiu a muitas tempestades à nossa volta.

Quando, em 86, o Manolo, então presidente da RCA, me deu a chance de indicar uma nova sambista para o selo 3M, não tive dúvidas em chamar a Mart’nália que, embora ainda não estivesse totalmente preparada pra assumir uma carreira, esbanjava talento de sobra e não me traria nenhuma dificuldade pra realizar aquela empreitada. A gente reuniu músicas de amigos como Nei Lopes, Paulinho da Viola, Paulinho da Aba, Dunga, Maurício Tapajós, Paulo César Pinheiro, Mauro Duarte, Julio Costa e Arthur Maia e outras que a gente curtia muito como “Nós os Foliões” de Sidney Muller. Dividi os arranjos com o Rildo Hora e colocamos no estúdio a nata dos músicos cariocas como Raphael Rabello, Jurim Moreira, Gordinho, Ovídio Brito, Marçalzinho, Zeca do Trombone e Paulinho Trompete, além do auxílio luxuoso do Quarteto em Cy, no coro, e da participação especial do Nei Lopes cantando com ela a sua hilária “Luxuosos Transatlânticos”.

Depois, tudo foi festa. Vida que segue. Embora tenha havido turbulências e mal tempo em algumas fases das nossas vidas, a gente nunca se esqueceu e jamais se desamou. Fico feliz quando a vejo no palco, feliz, com seu jeito único de cantar e de contagiar a platéia com seu incomensurável carisma e inegável talento. Hoje, essa parte da letra que escrevi em “Nunca Mais”, que abria o LP, serve bem pra expressar meu sentimento em relação à Mart'nália:

“...Sempre te vi como a luz
Que clareia e conduz minha imaginação.
Sempre em você pude ter
A certeza e o prazer de uma nova emoção.
Hoje, assim como um lampejo,
Ainda te vejo nos planos que traço
Em todas as coisas que sinto
Nos quadros que pinto, nos versos que faço.”

24 de março de 2005